Estou sentada no computador há três dias tentando converter idéias em palavras, algo que normalmente não me custa muito trabalho a fazer. Eu realmente gosto de escrever.


Mas este artigo é diferente. Eu me importo mais, isso significa muito mais. Eu sinto uma

responsabilidade especial com meu gênero e comigo mesma. "Eu quero tocar corações", me digo. E é verdade, eu quero que aqueles que lêem isso, homens ou mulheres, adultos ou jovens, extraíam uma dose forte do remédio que cura tudo, o amor e a felicidade. Algo assim como um martini de endorfinas. Quero mais união, mais compaixão, mais empatia.


Normalmente, uso minhas palavras como veículo para contagiar outras pessoas de minhas emoções, boas ou ruins. Se escrevo com raiva, gero ódio. Se escrevo com tristeza, gero solidariedade. Se escrevo com confiança e conhecimento, construo confiança. Se escrevo com felicidade, provoco(espero que muitos) sorrisos. Se eu escrevo com amor ... é isso que eu semeio. É por isso que eu levo tão a sério cada frase que escrevo. Eu sei que as palavras têm um poder incrivelmente transformador.


Para escrever sobre o que significa esse dia histórico, coloquei minha playlist de "GRL PWR"

músicas de Demi Lovato, Lady Gaga, Beyoncé. Eu vi alguns vídeos de Brené Brown e

Ellen DeGeneres e revi as campanhas #BelieveinMore da Nike e #LikeaGirl da Always.

Também fiz um tour no Instagram dos perfis da minha família, amigos e algumas

influencers que eu sigo.


E eu percebi uma coisa ... Estou cercada por mudanças. Estamos cercados por mudanças.


Não há montanha que não possa ser escalada


Decidi que esta publicação seria dedicada a comemorar o caminho percorrido, não o caminho que ainda resta percorrermos (tenho certeza de que ainda há muito). Porque a verdade é que, entre ver o copo vazio e vê-lo cheio, a segunda opção nos torna mulheres mais felizes (homens, por favor não se sintam excluídos).


E é disso que se trata este dia. Olhar ao nosso redor e ver como tudo é possível, como

passo a passo, tijolo por tijolo, estamos construindo um mundo onde mulheres e homens não apenas coexistem, mas como nutrimos e impulsionamos mutuamente nosso desenvolvimento.


Eu diria que vencemos milhares de batalhas, mas analogias de guerra implicam que há um lado perdedor e eu não gosto. Então eu me corrijo. Prefiro dizer que estamos ganhando espaço no topo da montanha ao lado de vocês homens.


Para acreditarem em mim, olhem em volta por um segundo. E, como eu, deixem-se surpreender.


Um dia para celebrar


Meu pequeno ritual de música e redes sociais me serviu de algo mais do que me inspirar a

escrever isto. Ele me deu milhões de exemplos de mudanças positivas no círculo de mulheres que me cercam e eu sigo.


Hoje eu as celebro. Celebro minhas amigas CEO e fundadoras (@acprglobal), celebro o

movimentos de amor próprio (#orgullosamentetallaM), saúde mental (@nutritioniscure),

da equidade de gênero (@aequaleslatam). Para aquelas que mostram suas curvas, suas estrias e cicatrizes sem vergonha, ou vestem calças e cortam os cabelos. Para aquelas que adotam estilos de vida saudáveis porque são apaixonadas (@silvyaraujo), jogam futebol ou escolheram profissões 'de homem'. Mas também, para aquelas que deixaram voluntariamente suas carreiras por serem mães, ou que decidiram não se casar ou ter filhos.


Eu vejo ao meu redor e meu coração se enche de orgulho. Eu vejo mulheres empoderadas, que celebram seu individualismo, desafiam estereótipos e defendem sua sexualidade, seus direitos e suas decisões.


Estou emocionada, por exemplo, ao ver meninas como Malala Yousafzai e Greta Thunberg, terem tanta convicção em uma idade tão jovem. Por outro lado, a demonstração de confiança e talento de mulheres como Shakira e JLo, aos 43 e 50 anos no Super Bowl, me encheram de uma profunda emoção.


Como elas, existem milhões de mulheres usando sua influência e voz para gerar grandes

mudanças. Taylor Swift, em seu documentário Miss Americana e em seu recente vídeo The Man, rejeita os duplos padrões existentes para homens e mulheres e também defende a

comunidade LGBT. Jane Fonda, luta pelas mudanças climáticas. E ela o faz aos 82 anos, que não é o mesmo. Meus cumprimentos a ela.


Que alegria que há tantas mulheres livres para escolher o que querem ser e lutar por seus ideais. Porque não temos que usar rosa, usar saia e maquiagem para sermos mulheres. Não precisamos cruzar as pernas, calar a boca e sorrir. Mas se é isso que queremos fazer, o faremos felizes.


Aqui eu faço um parêntese importante. Meu convite é celebrar coragem e mudanças positivas, não para promover atenção negativa ou discussões vazias, como expliquei no artigo Diversidade na Truora. Tenho muito claro que nem todos nós compartilhamos os mesmos

ideais, que não gostamos das mesmas coisas e que talvez não concordemos com as causas que decidimos defender.


O poder de quem somos - O exemplo Truora


Se há algo em que podemos concordar, é que as mulheres são feitas de material especial. Ser mulher hoje é sinônimo de coragem, dedicação, força, empatia, resiliência, coração. E quando estamos unidas, somos imparáveis.


Como diz o ditado, para a amostra um botão, então aqui está o pequeno exemplo da Truora.


Na mesma data em que comecei a escrever, tivemos uma conversa em nosso chat "Women @ Truora" que, pessoalmente, deixou meu coração cheio. Tanto, que eu contei ao Daniel, nosso CEO, e eu lhe disse que achava que tínhamos uma equipe muito especial.


Quando alguém pediu idéias sobre o que fazer no Dia da Mulher, foi como se organizassemos propositalmente uma delegação de empoderamento de mulheres. Houve milhares de idéias em segundos. Hashtags, fotos, links, vídeos e uma lista interminável de palavras encorajadoras do que significa ser mulher.


Gosto de pensar que é por isso que o mundo precisa de mais de nós. Porque nós somos sensibilidade, criatividade, união ... e muita consciência. É incrível tudo o que podemos alcançar quando agimos juntas.

Estamos muito bem acompanhadas


Homens, se vocês se sentiram excluídos até agora, deixe-me dizer que é muito reconfortante

sabemos que estamos acompanhadas e que muitos de vocês apoiam nossa causa e defendem nosso gênero, independentemente do risco de abordar questões suscetíveis a crítica e controvérsia. Sabemos que parte da estrada é graças a vocês.


Portanto, digo adeus convidando você a ler este artigo do nosso CEO na Forbes sobre uma

questão delicada que merece atenção especial. E sim, adivinhou, é sobre mulheres.


Finalmente, para aquelas que estão me lendo, desejo a vocês um feliz e merecido Dia da Mulher.


Na Truora, estamos construindo um ambiente diverso e de condições iguais para homens e mulheres. Se você quer fazer parte da empresa com a melhor cultura do mundo (é sério), convidamos você a trabalhar conosco ou escrever para contact@truora.com.